Blog da Roberta Malta

05/08/2010

Almoço de domingo

Confesso que não me ligo muito em dia dos pais, das mães, das avós. Gosto mesmo é de aniversários, réveillons e comemorações espontâneas. Mas sempre é uma boa desculpa para fazer uma comidinha gostosa. Até porque comer fora, nessas datas, costuma ser meio mico e torna a ocasião ainda mais esquisita.

A Tatiana Szeles, do Boa Bistrô, fez um cardápio super especial para o próximo domingo e, generosa que é, nos deu uma das receitas. Se tiver preguiça de fazer, vá ao restaurante dela que é uma graça. A oferta da semana é boa: entrada, prato e sobremesa por R$ 80. Quem não curte as filas intermináveis dos momentos festivos, deve chegar cedo ou deixar a visita para outro dia.

Fettuccine com ragu de cordeiro ao perfume de hortelã

Por Tatiana Szeles, do Boa Bistrô

 

 

(4 porções)

400g de fettuccine

50ml de azeite

2 colheres de sopa de hortelã picado

 

Ragu

1kg de pescoço de cordeiro com osso

½ litro de vinho branco seco

2 cenouras

2 cebolas

1 talo de salsão

1 dente de alho

½ alho poro

1/3 maço de tomilho

 

1 Corte os legumes em cubos grandes. 2 Marine o pescoço com os legumes, tomilho e vinho branco por 12 horas. 3 Em uma frigideira bem quente, refogue o cordeiro já temperado com sal. 4 Acrescente os legumes e refogar por 10 minutos, sempre mexendo. 5 Adicione 2 litros de água e cozinhar por 2 horas em fogo baixo. 6 Retire o pescoço, separe a carne e descarteos ossos e legumes. 6 Reduza o caldo. 7 Sirva a massa em prato fundo, acrescente o cordeiro, salpique com hortelã eregue com um fio de azeite extra virgem.

 

Boa Bistrô

Rua Padre João Manuel, 950, Jardins, são Paulo, SP

tel. 11 3082-5709

 

Por Roberta Malta às 15h18

03/08/2010

A mesa do Recife

 

Eu tenho um caso de amor com Recife. Gosto da cultura, amo a comida, acho o povo uma delícia. Lembro bem de quando me senti irremediavelmente fisgada pelos encantos da cidade. Foi durante um engarrafamento digno de saída de escola paulistana. Eu, dentro de um taxi velho, no maior calor, sem ar condicionado, olhava as ruas cheias de fumaça e pensava: "que bom chegar aqui". Se isso não for amor, alguém, por favor, me diga o que é.

Chato é que, toda vez que vou para lá, quero repetir os restaurantes que adoro e visitar os que eu ainda não conheço -- mais ou menos como quando viajo para o Rio. Acontece que nunca tenho tanto tempo quanto gostaria e sempre deixo um desejo para trás.


A vendinha do Parraxaxá, que tem bufê de comida típica

 

Dessa vez foi assim: cheguei e fui correndo para o Tapioca, do Duca Lapenda, aberto há cinco meses. O Duca também é chef do Pomodoro Café, outro restaurante top em Recife, além de amigo querido. Mas prometi que só ia contar os detalhes na Prazeres da Mesa de setembro e furar a mim mesma não dá, né? Aguardem.

Depois, finalmente consegui conciliar a programação com um almoço no Wiella Bistrô. Quem toca as caçarolas de sotaque estrangeiro é Claudemir Barros, um craque. A mãe dele foi, durante a vida toda, chef do Leite, também em Recife, o restaurante mais antigo do Brasil. A mulher, Sofia Mota, comanda o charmoso Jalan Jalan. Parece que o talento é de família mesmo.

Foi Claudemir quem mostrou ao nordestino que existia a tal gastronomia molecular. Contam que ele fez a coisa com tanta suavidade que todo mundo assimilou a novidade quase que sem perceber. Uma espuma num prato consagrado aqui, uma esfera na receita conhecida ali e o povo, na época, se viu diante do supra-sumo da modernidade sem grandes choques. 

Entrada e prato principal bastaram para vir a confirmação: ele é o máximo. Fim.


Haddock defumado com fettuccine de pupunha


Carré de cordeiro com risoto de cogumelo e pinoli


O jantar nesse dia foi no Ponte Nova, do Joca Pontes, que eu não me canso de visitar.


Pastel de carne seca

 

Berinjela com mascarpone e manteiga de sardinha


Bobó de lagosta


Arroz vermelho com camarão


Filé com batata chips e purê, com molho da avó do chef


Bolo de aipim, passa de caju e sorvete de doce de leite


O capuccino de frutas vermelhas que ele mesmo fez para mim


Um espetáculo em sete etapas. Eu brinco com Joca que ele provou ao mundo que não é só um rostinho bonito, mas é sério. O cara é sen-sa-cio-nal.

Ainda deu tempo de voltar ao Quina do Futuro, do Saburó, e conhecer o Parraxaxá. Na próxima vez, não me escapam: Just Madá, Thaal, Afonso & Anísio. Mais os de sempre, mais o Wiella, o Tapioca etc, etc, etc.

 

Jalan Jalan

Rua Desembargador João Paes, 4.510, Boa Viagem, Recife, PE

tel. 81 3325-2178

Leite


Praça Joaquim Nabuco, 147, Recife, Santo Antônio, PE

 

tel. 81 3224-7977

 

Parraxaxá

 

Avenida 17 de Agosto, 807, Casa Forte, Recife, PE

 

tel. 81 3268-4169

Pomodoro Café


Rua Capitão Rebelinho, 424, Pina, Recife,PE


tel. 81 3326-2217


Ponte Nova

 

Rua do Cupim, 17, Aflitos, Recife, PE

 

tel. 81 3327-7226

Quina do Futuro


Rua Xavier Marques, 134 ,Aflitos, Recife, PE

 

tel. 81 3241 9589

 

Tapioca Comedoria do Brasil 

Rua Amazonas, 40, Pina, Recife, PE 

tel. 81 3326-7195

Wiella Bistrô

Avenida Engenheiro Domingos Ferreira, 1274, lojas 13 a 16, Boa Viagem, Recife, PE

tel. 81 3463-3108


Por Roberta Malta às 01h12

Ir para UOL - Receitas

Sobre o autor

Roberta Malta é jornalista de gastronomia e blogueira por vocação. Escreve nas revistas Prazeres da Mesa, Casa & Comida e algumas outras sempre sobre ingredientes, bebidas, restaurantes. Formou-se em gastronomia, estudou vinhos na ABS- SP, mas está em constante aprendizado e pretende dividir suas descobertas e dúvidas com todos que acessarem seu link.

Sobre o blog

O "Sopa de Letrinhas" é um observador bem humorado da gastronomia, com pitadas do dia-a-dia da autora. Serve também como agregador e mixer de pessoas. Tem um olhar empolgado, emocionado, frio, crítico, curioso sobre comidas, bebidas, novidades, livros, restaurantes ou um pouco de tudo. Divirta-se!

Histórico

© 1996-2009 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.
Hospedagem: UOL Host